Categoria: Clipping

Viçosa terá ampliação no transporte público com obras viárias

É com muita alegria que vejo, mais uma vez, meu trabalho em Brasília se concretizando em melhorias para a vida das pessoas. Desta vez, as conquistas chegam para o bairro Nova Viçosa. Com emendas de minha autoria, a Prefeitura está com licitação aberta para obras de asfaltamento que irão garantir mais conforto e segurança, especialmente na questão do transporte, já que os ônibus poderão circular por novas ruas. Leia mais sobre o que será feito com esses recursos na matéria produzida pela Rádio Montanhesa: http://https://bit.ly/2HgNNou.

 

Proposta para adoção do “distritão” quase não muda composição das bancadas de deputados

Em Minas, considerados os resultados da eleição de 2014, a regra mudaria cinco dos 53 deputados federais e nove dos 77 deputados estaduais
Postado em 06/04/2015 06:00 / atualizado em 06/04/2015 07:33 – Juliana Cipriani /Estado de Minas

Uma das bandeiras discutidas na reforma política, a implementação do chamado “distritão” pouco mudaria a configuração das bancadas mineiras na Câmara dos Deputados e Assembleia. Se vingar a ideia defendida principalmente pelo PMDB, os parlamentares passarão a ser escolhidos por votação majoritária, como ocorre para os cargos executivos, e quem tiver mais votos, independentemente do partido, entra. Considerados os resultados da eleição de 2014, a regra mudaria cinco dos 53 deputados federais e nove dos 77 deputados estaduais.

Com a maioria de votos na contagem geral, o PSD ganharia mais duas cadeiras por Minas Gerais em Brasília, e o PP, PPS e PSDB aumentariam uma vaga cada. Em 5 de outubro, Renato Andrade (PP) ficou como suplente com 78,1 mil votos, assim como Walter Tosta (PSD), com 77,5 mil, e Humberto Souto (PPS), com 70,9 mil. Também ficaram de fora Carlos Mosconi (PSDB) e Geraldo Thadeu (PSD), com, respectivamente, 66,5 mil e 61,6 mil votos.

Por outro lado, graças ao sistema proporcional, parlamentares de cinco partidos menores conseguiram as vagas, apesar de terem obtido votações entre 45,3 mil e 60,3 mil. Se a regra mudasse, os deputados Marcelo Álvaro Antônio (PRP), Pastor Franklin (PTdoB) e Dâmina Pereira (PMN) perderiam as vagas. Como eles, os menos votados Edson Moreira (PTN) e Brunny (PTC) seriam eliminados. Levantamento divulgado no portal Congresso em Foco mostra que, das 513 cadeiras da Câmara, 90% continuariam com os mesmos eleitos em 2014, ou seja, 446 deles continuariam eleitos no distritão.

Já na Assembleia (ALMG), a bancada tucana seria a maior beneficiada se a eleição fosse majoritária. O sistema proporcional, que deixou como suplentes os ex-deputados Pinduca (PP), Zé Maia (PSDB), Célio Moreira (PSDB) e Hélio Gomes (PSD), daria lugar a eles. Caso fosse implementado o “distritão”, pelos votos do ano passado, também entrariam Marcos Eduardo de Andrade (PSD), Rômulo Viegas (PSDB), Leonardo Moreira (PSDB), Neider Moreira (PSD) e Luiz Henrique (PSDB). Eles tiveram votações entre 47,3 mil e 58 mil. Bem maior que os 25,3 mil de Dirceu Ribeiro (PHS), que foi o eleito com a menor votação da Casa. Além dele, entraram Cabo Júlio e Leonídio Bouças, pelo PMDB, Arnaldo Silva e Deiró Marra, pelo PR, e Anselmo Domingos (PTC), Fábio Oliveira (PTdoB), Antônio Lerin (PSB) e Celinho do Sinttrocel (PCdoB).

Passo

Na semana passada, o presidente da comissão especial que discute reforma política na Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM/RJ), defendeu o voto majoritário para os parlamentares, que considerou “um passo à frente”. O presidente nacional do DEM, senador José Agripino, porém, disse que o partido não tem posição fechada sobre o “distritão”. “Somos a favor do fim das coligações proporcionais, que já foi votado no Senado e vai para a Câmara”, afirmou.

O tesoureiro nacional do PSDB, deputado Rodrigo de Castro, disse sentir que a maioria da bancada tucana é favorável à eleição majoritária de parlamentares. “Há hoje uma indústria de fazer pequenos partidos para se eleger com poucos votos. O “distritão” acaba com essa história de quem teve pouco voto ser eleito e quem teve muito ficar de fora”, avalia. Ainda segundo o tucano, a mudança vai levar ao “fortalecimento dos partidos que realmente investem em conteúdo”.

Opinião oposta tem o deputado federal Carlos Zarattini (PT-SP), que integra a comissão da reforma. Ele diz que o novo sistema enfraqueceria as legendas. “Somos contrários, porque essa proposta individualiza cada candidato, ele deixa de ter relações com o partido e cada um passa a fazer a sua campanha. Isso também vai aumentar o custo da disputa”, afirmou. O deputado Chico Alencar (PSOL-RJ) também disse ser radicalmente contra o sistema por ele “fulanizar” ainda mais as campanhas.

materiaEM01

materiaEM02