Mês: fevereiro 2013

Artigo: A cartilha da picuinha

Fonte: Jornal Estado de Minas
Data de Publicação:  26/02/2013

Ao comemorar os 10 anos de poder, com a presença de Dilma, Lula e partidários, entre eles José Dirceu, “ex-homem-forte” de Lula e futuro “hóspede” da penitenciária paulista, o PT distribuiu uma cartilha, na qual, curiosamente, o foco parece ser não os feitos do partido, mas a desconstrução dos 08 anos de governo do PSDB.

Esse jeito de festejar não mereceu outra classificação senão “coisa de criança, picuinha” por parte de Fernando Henrique Cardoso, cujo governo garantiu conquistas como: estabilidade da economia, ora ameaçada com o retorno da inflação; moderna regulação do mercado, com agências reguladoras, ora cabides de emprego; ambiente jurídico de segurança, propício aos investimentos; lei de responsabilidade fiscal, parâmetro de uma gestão pública ética e profissional, tão atacada pelo PT; confiança externa, ora colocada em risco com a contabilidade criativa; valorização das instituições, como a Petrobrás, que hoje vem perdendo valor de mercado.

Além de não reconhecer esses fatos, a cartilha do PT omite, exagera e distorce muitos deles, levando a conclusões falsas sobre um governo que assentou as bases de desenvolvimento do país. Alega que Lula herdou uma economia em estagnação, com 45% da população em pobreza absoluta. Dados do Ipea mostram que, no último ano de FHC, a taxa de pobreza, que já vinha caindo, era de 34% e, somente sete anos depois, chegou a 21%. Afirma-se que o país, até o final da década de 2010, deve posicionar-se entre as quatro maiores economias. Segundo consultorias, essa posição só deve ser alcançada em 2050. O documento superestima a redução da desigualdade, descrevendo-a como em níveis civilizados, quando a realidade é que o Brasil é um dos mais desiguais do mundo.

Tucano não deve temer comparação entre os governos FHC e Lula, muito menos com o de Dilma. As conquistas da era FHC existiram sem Lula.  As conquistas da era Lula só existiram graças às bases construídas no governo FHC. Não se podem negar os avanços obtidos com a gestão do PT, especialmente o Bolsa-Família, que mesmo tendo alicerces construídos no governo tucano, logrou expansão. Também devem ser reconhecidos erros no governo FHC, especialmente a reeleição e a exacerbada influência da equipe econômica, no segundo mandato, sobre as demais áreas. Mas Lula, anestesiado pela aprovação popular obtida com o Bolsa-Família e a política de salário mínimo, perdeu fantástica janela de oportunidade aberta ao país com a combinação bonança internacional e ambiente interno favorável. Não se preocupou com gestão, combate à corrupção, infraestrutura e continuidade das reformas.

Falando no Senado, Aécio Neves assinalou ausências importantes na celebração petista: a autocrítica, a humildade e o reconhecimento que devem ser matéria-prima do cotidiano político. Alinhou, também, fracassos do PT: a paralisia do país, com o PAC do marketing; a indústria sucateada; a estabilidade ameaçada; a perda da credibilidade; a derrocada da Petrobras; o mito da autossuficiência e a implosão do etanol; a falta de planejamento; o risco de apagão; a insegurança pública e o flagelo das drogas; o descaso na saúde e na educação.

Na cerimônia, o PT lançou também a sua candidata, para continuar o projeto de poder. E Dilma, confirmando a falta de autocrítica, de humildade e de reconhecimento, foi disparando, como suma redentora do Brasil moderno: “Não herdamos nada do governo anterior, nós construímos”, esquecendo-se de que o país viveu um ciclo desenvolvimentista com Itamar, FHC e Lula – com imperfeições sim, mas com progressos, obtidos especialmente com a maturidade da sociedade. É assim que se constrói o projeto de poder do PT. Não é assim, com petulância e denegando as conquistas do povo brasileiro, que se constrói o projeto de desenvolvimento do país.

Não se pode concentrar apenas no debate da comparação interna.  Há que se comparar o país com outros que estão avançando. O Brasil pode estar muito adiante. O povo quer um Brasil justo, competitivo e desenvolvido. É sobre o caminho para essa nova realidade que o debate ser travado.

 

Rodrigo de Castro, deputado federal e secretário-geral do PSDB

A falha gerencial da gestão petista faz a indústria brasileira perder competitividade no mercado interno e externo.

Baixo crescimento da economia comprova que erros do Palácio do Planalto comprometem setor.
“Temos passado por um processo de desindustrialização. As ações do governo são paleativas e feitas sem um planejamento, sem consitência.”
Deputado federal e secretário-geral do PSDB, Rodrigo de Castro.
[audio:http://rodrigodecastro.com/wp-content/uploads/2013/02/Boletim-04-Artur-Filho-21.02.2013-Pibinho-Dep.-Valdivino-de-Oliveira-GO-e-Dep.-Rodrigo-de-Castro-MG.mp3]

PSDB cria secretariado para pessoas com deficiência. A proposta é do deputado federal e secretário-geral do PSDB, Rodrigo de Castro

Brasília – O presidente do PSDB, deputado federal Sérgio Guerra (PE), autorizou a criação do Secretariado da Pessoa com Deficiência do partido. A proposta é do secretário-geral da legenda, deputado federal Rodrigo de Castro (MG).

O novo secretariado, segundo Rodrigo de Castro, tem por objetivo principal estimular a organização das pessoas com deficiência com vistas à sua efetiva participação no processo político-partidário e constitui medida que se insere na estratégia de modernização do partido e importante contribuição ao país no cumprimento das obrigações constantes da
Convenção da Organização das Nações Unidas (ONU).

Ainda de acordo com Rodrigo de Castro, apoiado em estudos da Febraban, há, no Brasil, 24,6 milhões de pessoas com algum tipo de deficiência. Considerando que essas pessoas, no seu cotidiano, lidam diretamente, pelo menos, com duas outras pessoas, pode-se concluir que o Secretariado é um canal aberto para um público de mais de 74 milhões de cidadãos.

A nova estrutura do PSDB terá, como importantes elos institucionais, as organizações não governamentais focadas no atendimento inclusivo das pessoas com deficiência, cujos direitos e interesses, a partir de um trabalho conjunto, poderão ser mais percebidos e respeitados pela sociedade.

A implantação do Secretariado, sua estruturação e descrição de seus objetivos e de seu campo de atuação, foi confiada aos deputados federais Eduardo Barbosa (MG), Mara Gabrilli (SP) e Otávio Leite (RJ), cujo trabalho, na Câmara dos Deputados e na sociedade, já se vem destacando pela prioridade à causa das pessoas com deficiência.

Fonte: PSDB

Rodrigo de Castro anuncia mais R$ 1,8 milhões para hospitais de Viçosa

No último dia 17,em visita à cidade, o deputado federal Rodrigo de Castro anunciou que os hospitais São Sebastião e São João Batista receberão, a partir de agora, R$ 150 mil a mais em investimentos mensais do governo estadual. No total, serão mais de R$ 1,8 milhão destinados às duas unidades hospitalares da cidade, todos os anos, além do que já era normalmente enviado. O anúncio foi feito em cerimônia extraoficial no plenário da Câmara Municipal e contou com a participação de autoridades, médicos e membros da sociedade civil.

A destinação de mais verba para a saúde é um pleito antigo dos hospitais do município. Atualmente, os custos das internações e dos procedimentos médicos excedem os valores recebidos pelas unidades hospitalares. Segundo Rodrigo de Castro, havia uma defasagem entre os valores recebidos por Viçosa em relação a outros municípios. “Algumas cidades, às vezes até menores do que Viçosa, recebiam mais na área da saúde”, disse o deputado.

Rodrigo de Castro informou, ainda, que a verba conquistada para Viçosa é fruto de um trabalho de três anos, que teve o apoio dos secretários de Estado, Danilo de Castro, e de Saúde de Minas Gerais, Antônio Jorge, e do governador Antonio Anastasia. O esforço envolveu diversas reuniões e conversas com representantes de outros municípios. Para que Viçosa tivesse uma fatia maior da verba destinada à saúde, foi preciso alterar o destino de todos os recursos da área em Minas Gerais.É bom relatarmos que a grande dificuldade era fazer com que todos os municípios de Minas concordassem, pois eles acabariam perdendo um pouco de recursos. Ninguém quer perder, mas nós fizemos um trabalho de articulação muito grande”, finaliza Rodrigo de Castro.

Para o diretor administrativo-financeiro da Prominas, Roberto Andrade, Viçosa dá um grande passo na área da saúde. “Essa é, sem dúvida alguma, a notícia mais importante da saúde para a cidade nos últimos tempos, porque ela faz um reajuste na tabela de que tantos os hospitais precisavam.”

Com a nova Autorização de Internação Hospitalar (AIH) recebida pelo município, o sistema de saúde será melhor remunerado e mais internações e cirurgias poderão ser realizadas. A AIH é o documento hábil para identificar o paciente e os serviços prestados sob regime de internação hospitalar e fornecer informações para o gerenciamento do Sistema Único de Saúde (SUS). É através deste documento que hospitais, profissionais e serviços auxiliares de diagnose e terapia (SADT) se habilitam para receber pelos serviços prestados na área.

Os dez erros do governo do PT

 

Ontem, em discurso para a TV Senado, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) apontou os erros dos dez anos do governo do PT. Um marco neste início de legislatura, um discurso firme, sereno, uma visão muito ampla do Brasil, das deficiências deste governo e do tanto que nós temos que avançar. Ele mostra que é o nosso líder, que está preparado para dialogar com todo o Brasil e, principalmente mostrar aos brasileiros que este governo do PT não está à altura do nosso país. Cabe a nós construirmos a sua candidatura, que levará o povo brasileiro à vitoria, com um governo honesto, desenvolvimentista e socialmente justo.

Deputado federal e secretário-geral do PSDB, Rodrigo de Castro

 

Brasília – O senador Aécio Neves (PSDB-MG) foi à tribuna, na tarde desta quarta-feira (20), para enumerar 13 fracassos da gestão do Partido dos Trabalhadores (PT) no governo federal. No dia em que petistas realizam evento para lembrar a marca de dez anos à frente do Palácio do Planalto, o parlamentar tucano criticou a falta de humildade e autocrítica da legenda. “Ao contrário do que quer fazer crer a propaganda oficial, o Brasil não foi descoberto pelo ano de 2003. Fato é que, no governo, deram continuidade às políticas criadas e implantadas pelo presidente Fernando Henrique. E fizeram isso sem jamais reconhecer a enorme contribuição dada pelo governo do PSDB na construção das bases que permitiram importantes conquistas alcançadas no período de governo do PT”, afirmou, enfatizando que não existe monopólio do povo brasileiro, como julgam o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e seus aliados.

De acordo com o tucano, a data seria uma excelente oportunidade para que o PT revisitasse a sua história e reconhecesse a contribuição do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso para o desenvolvimento do Brasil. Lembrou que os petistas sempre optaram por um projeto de poder em detrimento do bem do povo brasileiro, em diversas ocasiões. Na presença do presidente nacional do PSDB, deputado federal Sérgio Guerra (PE), do líder no Senado, Aloysio Nunes e de parlamentares da bancada no Congresso, Aécio recordou que o PT negou apoio a Tancredo no Colégio Eleitoral, renegou a constituição cidadã de Ulysses Guimarães e foi contra o Plano Real e a Lei de Responsabilidade Fiscal.

“Mas afinal, qual é o PT que celebra aniversário hoje? O que fez do discurso da ética, durante anos, a sua principal bandeira eleitoral, ou o que defende em praça pública os réus do mensalão? O que condenou com ferocidade as privatizações conduzidas pelo PSDB ou o que as realiza hoje, sem qualquer constrangimento? O que discursa defendendo um Estado forte ou o que coloca em risco as principais empresas públicas nacionais, como a Petrobras e a Eletrobras”, questionou.

Ao concluir, o senador, que foi aplaudido e cumprimentado por parlamentares tucanos e de outros partidos, afirmou que o PSDB, diferentemente do que fez o PT no governo FHC, faz uma oposição responsável e fiscalizadora. “Não fizemos oposição ao Brasil e aos brasileiros. Jamais fizemos.”

13 Fracassos do governo do PT

1. O comprometimento do nosso desenvolvimento
2. A paralisia do país: o PAC da propaganda e do marketing
3. O tempo perdido: a indústria sucateada
4. Inflação em alta: a estabilidade ameaçada
5. Perda da Credibilidade: a contabilidade criativa
6. A destruição do patrimônio nacional: a derrocada da Petrobras e o desmonte das estatais
7. O eterno país do futuro: o mito da autossuficiência e a implosão do etanol
8. Ausência de planejamento: o risco de apagão
9. Desmantelamento da Federação: interesses do país subjugados a um projeto de poder
10. Brasil inseguro: insegurança pública e o flagelo das drogas
11. Descaso na saúde, frustração na educação
12. O mau exemplo: o estímulo à intolerância e o autoritarismo
13. A defesa dos maus feitos: a complacência com os desvios éticos

Fonte: PSDB

Leia aqui o discurso do senador Aécio Neves sobre os 13 fracassos do PT 

Assista o vídeo na TV Senado

Rodrigo de Castro cumprimenta a blogueira cubana Yoani Sánchez



Prazer em cumprimentar a blogueira cubana Yoani Sánchez, exemplo de luta pela democracia e liberdade. Lamentável que protestos tentem impedi-la de se pronunciar, como aconteceu na Bahia, onde a apresentação do seu documentário teve que ser cancelada. Cuba livre é o que todos queremos. Livre, soberana, democrática e com vez e voz para as opiniões discordantes e plenamente integrada ao nosso continente.

Deputado federal e secretário-geral do PSDB, Rodrigo de Castro

Rodrigo de Castro, em entrevista para Rádio Itatiaia, diz que é preciso avaliar com urgência a reforma política.

Em entrevista para Rádio Itatiaia, o deputado federal Rodrigo de Castro disse que as votações serão retomadas no Congresso com a análise dos vetos presidenciais. Segundo ele, é preciso avaliar com urgência a reforma política.